segunda-feira, julho 24, 2017

Jornal das Profissões - Criatividade no rádio





Em julho de 2009, participei do Jornal das Profissões para falar sobre Criatividade no rádio.


A primeira parte da conversa trata sobretudo do jingle. A propaganda no rádio foi autorizada por Getúlio Vargas em 1932, dez anos após a primeira experiência de transmissão realizada no Brasil. Desde então, o jingle se tornou um estilo marcante e diferenciado de comunicar mensagens e atingir em cheio o público. Da primeira música feita para o Pão Bragança até o então atual Viajante Mastercard, a evolução e as mudanças foram inúmeras. Mas uma coisa permanece e é um forte aliado de quem utiliza este formato em suas campanhas: a aceitação do público pelo fato de dar mais "brilho" à plástica da emissora. Em outras palavras, todo mundo gosta de música, mesmo que esteja em uma rádio de notícias. O jingle desempenha um papel de entretenimento na programação e invariavelmente acaba por ser repetido pelo ouvinte até em situações em que este não tenha nenhuma atração por determinada marca. 

Conversei com a apresentadora Elis Marina também sobre o formato que passou a se destacar nas últimas décadas, dos anos 1980 para cá. Nos spots, caracterizados como comerciais que possuem fala e efeitos sonoros, prevalece o humor. Outra percepção é que algumas das peças criadas inicialmente apenas para o rádio acabaram ganhando uma posterior versão televisiva. Como é o caso de "Louco por Lee", "Rádio Kaiser" (dá pra tomar uma Kaiser antes?) e outras que são lembradas na entrevista. 

Nenhum comentário: